Textos














Veredas


Eliane Triska

As sobras dos dias do sertão,
Farelos de pó que ressequidos,
Nos bicos dos pássaros fugidos
Enchem de mágoas a estação!


A cabeça queima e eu tonteio!
Mas o assombro é onde eu me afundo,
No calor do sol, um moribundo
Que ainda não soube por que veio.


Até a miséria tem sua cama
De terra batida e chão queimado.
Mas lá , muito lá, o corcovado
Cristo ao relento não reclama.


Eu reclamo, sim! De tudo eu choro!
Da vida, solidão e de saudade.
Se conto e reconto a minha idade,
Procuro um lugar... Aonde eu moro?


Fome! Ah, infame estátua fria
Se te agarro dóis na minha mão!
De uma dor se mata um coração.
De quantas perpetua-se a agonia?


Me falto... Vou de adeus a revoada.
Pois em baixo já não sinto os pés.
Oh! Senhor, me dizes quem tu és?
Cala, onde estou! Não digas, nada!



Canoas, julho de 2010/RS
Eliane Triska
Enviado por Eliane Triska em 26/07/2010
Alterado em 09/12/2012

Música: JACOBD~122 - Desconhecido

Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários