Textos

Ventre desmamado
Um quê existe em mim ensimesmado.
A inventariar ruínas embebidas,
Num insaciável Ventre desmamado
A fluir em Letras - inconclusivas!


Me desvencilho... Vão-se os recatos
Por que te disfarçaste? -  Então pergunto
À Outra um Cordeiro... E a uivar o indulto
Um Lobo comigo a encenar-se em Atos.


Meu luar apagou-se...  Morre o milagre!
Azedou tua  lembrança... Esse vinagre!
No calvário de amor que pressenti


A cegar a grafia do idioma
Com versos eternos, vai e os toma!
Do Universo de Amor que fiz pra ti.


Canoas, 02 de dezembro/2007-RS

Eliane Triska
Enviado por Eliane Triska em 02/12/2007
Alterado em 31/01/2008
Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários